Últimas notícias do Viking
Mundo, Historiografia, Arqueologia, Astronomia e Concursos para professores em todo o Brasil
Loading...

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Clemente V e o Cativeiro de Avignon (1309 – 1377) e o Grande Cisma do Ocidente

Cremente V
Bertrand de Got, arcebispo de Bordeaux (1297-1305), homem de estreita confiança de Filipe de Valois, foi eleito papa em 1305, como sucessor de Bento XI, após o longo conclave de Perúgia, como homem de consenso: sempre havia sido submisso ao papa Bonifácio VIII e também amigo do rei da França, Filipe, o Belo, inspirador do ultraje de Anagni. Adotou o nome de “Clemente V”.
O antecessor de Clemente V, o papa Bento XI, havendo desobedecido a ordens expressas do monarca Filipe de Valois (Filipe “O Belo”), foi atacado e sofreu uma tentativa de seqüestro de seu refúgio em Agnani a fim de ser conduzido à França para ser julgado por heresia. Bertrand de Got apoiou – segundo alguns Autores foi mesmo o inspirador – tal iniciativa...
Alegando que a cidade de Roma, dominada pelos conflitos entre as famílias nobres, não oferecia mais segurança ao papa, Clemente V, em 1309 foi, “a convite” de Filipe de Valois para Avignon, França, onde se fixou definitivamente. Nessa época tem início o chamado de “Cativeiro de Avignon” em lembrança do bíblico “Cativeiro Babilônico”.
Abjetamente subserviente ao monarca francês, foi coroado em Lyon na presença de Filipe, que sempre o dominou. A primeira conseqüência de sua fragilidade em relação ao rei da França foi a transferência da sede do papado de Roma para Avignon, início do chamado “Cativeiro de Avignon”. Atendendo aos insistentes pedidos de Filipe, Clemente canonizou o papa Celestino V e iniciou um processo contra o falecido papa Bonifácio VIII que, segundo as intenções do rei, deveria ter terminar com a sua condenação, o que não aconteceu em virtude da vigorosa atuação dos Cardeais. Segundo a Lei Canônica da Época, o cadáver de Bonifácio VIII deveria ser exumado e, se considerado efetivamente culpado de heresia, seria queimado na fogueira...
Papa Urbano V

Foi um período difícil para a Igreja e teve como o pior fruto, a imagem de um papa não como um pai universal, e sim, uma espécie de capelão do rei da França. Foram sete papas franceses e também a maioria dos cardeais.
Além disso, para fazer frente à construção e manutenção da corte papal, aumentaram-se exageradamente os impostos e as taxas. Tudo era vendido a alto preço: nomeações, graças, indulgências e dispensas. Os ânimos católicos se distanciam da Cúria e surge sempre mais forte o grito: “A Igreja tem que ser reformada”. A autoridade do papa decaiu muito com o excesso de excomunhões, lançadas por motivos quase que exclusivamente políticos. Durante 20 anos toda a Alemanha ficou sob excomunhão. Em 1328 um patriarca, 5 arcebispos e 30 bispos foram excomungados. São João d’Ávila deplorava que nas paróquias, em cada festa, fossem anunciadas de 7 a 10 excomunhões.
As vozes que amavam a Igreja e Roma se faziam ouvir cada vez mais alto: “quer-se a liberdade da Igreja, a liberdade do Papa, um Papa universal.” Duas santas mulheres fizeram eco a essa necessidade universal: Brígida da Suécia e Catarina de Sena. Catarina, jovem, analfabeta, mística e santa, assumiu como vocação fazer o papa retornar a Roma. Escrevia-lhe até palavras duras: “Seja homem, paizinho! Não tenha medo”. Foi a Avignon e ali pôde constatar a corrupção da Cúria que ela dizia, “cheirar muito mal, com o mesmo mau cheiro de Roma”. Garantiu a segurança da transferência papal e, em 1367, Urbano V ingressou triunfalmente na Roma papal. Era tamanha a desordem na cidade, que o bom papa fugiu para a França. Seu sucessor, Gregório XI (1370-1378), retornou a Roma em 1377 e fez do Vaticano a residência papal oficial. Santa Catarina passou a viver em Roma e quase que diariamente ia ao Vaticano, rezar pelo Papa e pela Igreja.
Como não poderia deixar de acontecer, o Cativeiro de Avignon deu azo ao Grande Cisma do Ocidente, com dois papas católicos romanos, um em Roma e outro em Avignon excomungando-se mutuamente...

O Cisma do Ocidente (1378 – 1417)
Contra Urbano VI, papa legítimo, é eleito Clemente VII como antipapa residente em Avignon. Papas e antipapas se sucediam e se excomungavam, a ponto de se ter a impressão de que toda a cristandade estivesse excluída da Igreja. Foi o Grande Cisma, que fez a Igreja num certo período ter três papas! Os cristãos, e mesmo os sábios e santos, não tinham mais muita clareza sobre quem era o papa verdadeiro.
França, Espanha e Escócia reconheciam Clemente VII como papa legítimo; Itália, Inglaterra, Irlanda, Boêmia, Polônia, Hungria e Alemanha reconheciam Urbano VI. E os santos? Santa Catarina de Sena apoiava Urbano VI e chamava de demônios encarnados os eleitores de Clemente VII; já São Vicente Ferrer reconhecia como verdadeiro papa a Clemente VII. Certamente, para o povo, era mais difícil ter alguma certeza.
Papa Cremente VII
Urbano VI
Para salvar a unidade da Igreja, alguns teólogos passaram a defender a Teoria Conciliar: os bispos reunidos em Concílio detêm o poder da Igreja, acima do Papa. No fundo, o que se queria era garantir a eleição de um único e legítimo papa e recuperar a unidade eclesial.
Somente o Concílio de Constança (1414-1418) conseguiu acabar com o Cisma, com a eleição unânime de Martinho V (1417-1431) após a renúncia do papa legítimo Gregório XII.

Conseqüências
Após tantos conflitos, divisões, papas sem visão pastoral e universal, não é de se estranhar que, aos olhos do povo cristão, uma Igreja nacional, controlada pelo poder do Estado, fosse a melhor solução. Isso aconteceu e foi uma das causas que explicou o sucesso da Reforma Protestante na Europa.
Na França, em 1438 se ratificou como lei estatal a Teoria Conciliar, a proibição de apelar para Roma como última instância, limitações dos direitos da Santa Sé nas nomeações para ofícios e benefícios na França. Somente em 1905, o Papa voltou a nomear os bispos franceses.
Na Alemanha, os príncipes usurparam a jurisdição eclesiástica em seus territórios com a imposição de taxas sobre os bens eclesiásticos. O sentimento anti-romano era muito forte, cunhando-se até a expressão “doutor em Roma, burro na Alemanha”.
Na Inglaterra, a descrença em relação a Roma se fortaleceu com o Cativeiro de Avignon: aos olhos dos ingleses o papa era instrumento do soberano francês contra quem a nação inglesa se empenhou em longa e violenta luta. Vários decretos do século XIV negam ao papa o direito de nomeação para os ofícios eclesiásticos ingleses, proíbem o apelo a Roma e a introdução das Bulas papais. De fato, a Igreja inglesa era independente de Roma.
Na Espanha, a unidade religiosa foi considerada básica para a unidade nacional. Em 1478 nasceu a Inquisição Espanhola sob controle estatal. Em 1492, com a reconquista dos domínios muçulmanos – o reino de Granada – ao sul da Península Ibérica e a conquista da América, Portugal e Espanha adquirem o direito do Padroado, pelo qual assumiram o governo da Igreja.
Esses fatos podem explicar, em parte, o porquê da tragédia religiosa do século XVI, quando um frade reformador, Martinho Lutero, provocou a divisão religiosa e política da Europa cristã. Séculos de relaxamento pastoral no coração da Igreja Romana afastaram numerosos povos e nações. Lutero simbolizou, com seu gesto, as numerosas gerações que clamavam pela reforma da Igreja.
Fonte: http://www.culturabrasil.pro.br/
Fotos: Google imagens